domingo, 9 de outubro de 2016

A vida nas músicas dos Engenheiros do Hawaii - Parte I

Em matéria de música, sou bastante eclético, apesar da minha notória preferência pelo rock. Porém meu ecletismo termina quando se trata de Engenheiros do Hawaii, a melhor banda do Brasil, com suas letras que misturam poesia e vida real; “como é que eu troco de canal?”. Humberto Gessinger realmente é o cara, autor de belíssimas composições que servem de trilha sonora para a nossa vida.
As músicas dos Engenheiros são verdadeiras obras filosóficas, onde “sempre em frente foi o conselho que ela me deu”. Podem ser um bom recurso na hora da paquera, desde que a menina também tenha bom gosto e as conheça, pois “entre a minha boca e a tua, há tanto tempo, há tantos planos”. Isso ajuda muito, mesmo eu não sendo belo, “havia uma garota a fim”.
Ensina ainda que não devemos deixar para depois o que podemos fazer agora, afinal, “hoje o tempo escorre nos dedos das nossas mãos, ele não devolve o tempo perdido em vão”. Por mais que você não consiga percebê-la, “ela para e fica ali parada, olha-se para nada”, ou ainda, simplesmente, “pela janela alguém estará de olho em você”. Explicando de uma forma simples, “seus lábios são labirintos que atraem os meus instintos mais sacanas”.
Você é tão legal que “toda vez que toca o telefone eu penso que é você. E toda noite de insônia eu penso em te escrever”. Resumindo, “nós dois temos os mesmos defeitos, sabemos tudo a nosso respeito”, mas mesmo assim “escute, garota, façamos um trato, você desliga o telefone se eu ficar um pé no saco”. Também “diga a verdade ao menos uma vez na vida, você se apaixonou pelos meus erros”.
E quais são os nossos planos? “Se faltar calor, a gente esquenta. Se ficar pequeno, a gente aumenta. Se não for possível, a gente inventa”. E se não der certo, “sem final feliz ou infeliz, atores sem papel”. Depois das brigas, “volta pra casa, me traz na bagagem, tua viagem sou eu. Novas paisagens, destino passagem, tua tatuagem sou eu”, pois fomos “feitos um para o outro, feitos para durar”.
“Por mais que a gente cresça há sempre alguma coisa que a gente não consegue entender”. “Perdoa o que puder ser perdoado, esquece o que não tiver perdão”, porque “eu não consigo odiar ninguém”. “Se fosse fácil achar o caminho das pedras, tantas pedras no caminho não seria ruim”.
E seja feliz escutando Engenheiros do Hawaii.

Nenhum comentário:

Postar um comentário