terça-feira, 27 de setembro de 2016

Maria Lúcia

       “Maria Lúcia acorda cedo, vai pra praia de biquíni e sempre esquece o bronzeador...” Assim começa mais um clássico do rock gaúcho, da banda Vera Loca, que eu escutava constantemente na minha adolescência, mais precisamente no ano de 2004. Tempos atrás encontrei a versão acústica, tão boa quanto a original, e me bateu uma saudade daquela época.
Saudade dos meus 16 anos.
Saudade do meu celular Nokia 3520, com tela colorida, um avanço para a época.
Saudade dos Jogos Olímpicos de Atenas, o ouro do Brasil no vôlei e o padre maluco que atrapalhou o maratonista brasileiro.
Saudade do 2º ano do Ensino Médio.
Saudade da visita à UFSM.
Saudade dos colegas de escola.
Saudade das aulas de História.
Saudade dos jogos de vôlei e futsal nas tardes de terça e quinta-feira na escola.
Saudade de dormir de tarde.
Saudade dos amores não correspondidos.
Saudade daquela garota com a qual eu jamais falei.
Saudade dos shows do Sargentos.
Saudade de jogar sinuca no Trivial.
Saudade da minha infantilidade.
Saudade dos teatros de Artes.
Saudade das férias escutando Tequila Baby.
Saudade de não ter computador em casa.
Saudade dos jogos de futsal sábado à noite no ginásio da URI (que na época ainda era INSA).
Saudade de não ter preocupações e responsabilidades.
Saudade do primeiro emprego.
Enfim, saudades...
“E se fizer sol, tudo bem. Se não fizer nada, o quê que tem...”