quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

O caminhão de porcos

Você programou o ano inteiro suas férias na praia! Enfim chegou o tão esperado mês de janeiro. O carro foi revisado no seu mecânico de confiança, o estepe calibrado, as bagagens encaixadas como quebra-cabeças no porta-malas e suas músicas preferidas estão organizadas no pen drive. É hora de pegar a estrada!
A viagem vai ser longa. As crianças dormem tranquilamente no banco traseiro, sua mulher conversa amenidades e quando você chega aos 100 km por hora ela já pede para ir mais devagar, utilizando aquele velho, porém infalível jargão: pense nas crianças! E você, instintivamente, acaba reduzindo a velocidade, lembrando daqueles dois pequenos e amados seres que estão ali sob sua responsabilidade.
A viagem segue na mais perfeita tranqüilidade. Pouco movimento, estrada relativamente em boas condições e rock and roll tocando. Porém, a partir da metade da tarde o trânsito começa a ficar intenso e dirigir torna-se mais estressante, mas nada que lhe abale, afinal de contas, você está indo para a praia, onde poderá descansar por 15 abençoados dias.
Apesar disso, tudo está correndo na mais perfeita tranqüilidade, até que de repente, um odor nada agradável toma conta do ambiente. As crianças começam a reclamar, o estômago embrulha e nada consegue deter a fragrância fétida, nem os vidros completamente fechados, tampouco o ar-condicionado do carro. Você está atrás de um caminhão que transporta porcos com destino a algum frigorífico para virarem bacon.
Você deseja ultrapassar tal caminhão o quanto antes para poder se livrar do cheiro de esterco que infesta o ar, mas como é uma região com muitas curvas, isso se torna mais complicado. Nas retas, o trânsito intenso no sentido contrário também impede a ultrapassagem. A viagem, até então prazerosa, transformou-se em um martírio, o rock and roll perdeu a graça, as crianças ficaram agitadas e sua mulher agora quer que ultrapasse imediatamente, logo ela, que não queria saber de alta velocidade.
Após intermináveis 10 quilômetros, você finalmente consegue fazer a ultrapassagem! É um momento de alívio, sentimento de vitória, de consagração. Porém, logo depois de concluir a manobra, percebe que não se trata de apenas um único caminhão de porcos, mas sim de um comboio deles.