sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Chuva de verão


A história de Cecília e Lênin pode acontecer com qualquer um de nós. Basta um pouco de atenção para não deixar que pequenos detalhes passem despercebidos. Aí que mora o perigo! Não se deter às coisas simples e assim deixar passar oportunidades impares de ser feliz e ter sucesso. Ah, se a gente soubesse o que o destino nos reserva. Mas Cecília e Lênin, de certa forma, sabiam!
Cecília era uma charmosa jovem, baixinha e bastante discreta. Falava pouco, mas pensava muito. Eficiente, desempenhava com competência suas atividades no departamento comercial de uma multinacional. Era colega de Lênin, alguns anos mais velho e completamente diferente dela. Ele, por sua vez, gostava de conversar, fazer piadas com os colegas e contar causos. De tanto que falava, era comum sair besteiras, mas Lênin jamais perdia o bom-humor e isso cativava todos a sua volta. Podia fazer sol, chuva, calor ou frio e o jovem mantinha-se sempre com um sorriso largo nos lábios, até mesmo quando havia algum desentendimento no trabalho.
As garotas faziam de tudo para chamar atenção do rapaz, sorriam quando ele chegava, tentavam agradá-lo de todos os jeitos. Mesmo quando lhe faziam perguntas indiscretas, Lênin não ficava sem jeito e as devolvia com bastante classe e inteligência. Cecília também o achava interessante, mas seu jeito discreto a impedia de fazer o mesmo que suas colegas, ela apenas o admirava em segredo e no mais profundo silêncio. Os diálogos entre eles se limitavam em breves “bom-dias” e “boa-tardes”, mas era o suficiente pra fazer o coração da moça disparar.
Lênin também admirava Cecília. Desde a adolescência apreciava garotas tímidas e quietas, que na sua concepção, possuíam um charme a mais. Enquanto as outras continuavam espalhafatosas, o pensamento de Lênin estava cada vez mais em Cecília. Porém achava que ela não estava nem aí para ele.
Cecília fitava seguidamente Lênin e ele ela. Mas como se o universo estivesse conspirando contra, nunca ambos trocaram aqueles fulminantes olhares no mesmo momento, para poderem comprovar que o sentimento era recíproco.
No início do ano seguinte, vários funcionários da empresa foram realizar um curso de aperfeiçoamento na França, entre eles Cecília e Lênin. Foi a primeira vez que os dois conversaram e só confirmaram o que já sabiam: ele era interessante, ela também. Entre reuniões e passeios durante a viagem, rolou o primeiro beijo.
Era uma tarde chuvosa de janeiro. Podia ser apenas mais uma chuva de verão, mas não: eles estavam na Europa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.