quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Eu te amo meu Brasil... eu te amo!

"... meu coração é verde, amarelo, branco, azul, anil"
Quem nunca cantarolou esses versos, principalmente nas semanas da Pátria, durante as séries iniciais? Pois é, um dos hinos da ditadura militar brasileira continua mais vivo do que nunca. Até hoje a criançada é instigada a cantá-lo nessas ocasiões, seja pela sua letra grudenta ou até mesmo pelo desconhecimento das educadoras quanto a sua apologia. O certo é que essa aparente inocente canção foi utilizada para encobrir as repressões e arbitrariedades do final dos anos 60 e início dos 70. Vamos aos fatos!
Em 1969, o General Emílio Garrastazu Médici assumiu o governo, permanecendo no poder até 1974. Ele ficou conhecido como um dos presidentes mais repressivos do regime militar. Para desviar a atenção da população quanto a violência existente nos porões da ditadura, desenvolveu uma forte propaganda ufanista, dentre as quais o slogan "Brasil: ame ou deixe-o". Associou também a figura da seleção brasileira campeã mundial em 1970 como sinônimo de crescimento para o país, além de instigar o chamado "milagre brasileiro", que se consolidou como uma grande ilusão de crescimento econômico e jogada de marketing, pois enquanto a maioria da população dispunha de bons salários e facilidade em adquirir bens de consumo, não conseguia perceber a repressão política existente.
Brasil: ame ou deixe-o
Nesse quadro, o que seria amar o Brasil? Nada mais do que aceitar a situação em que o país vivia, sem contestar absolutamente nada. Por isso muita gente preferiu deixá-lo, mas sem deixar de amá-lo, obviamente.
E em 1970, a banda "Os incríveis" gravou a famosa música "Eu te amo meu Brasil". Era tudo o que Médici e companhia desejavam. Os integrantes da banda afirmaram, anos mais tarde, que a composição não fazia nenhuma apologia política. Será?! Cada um tire suas próprias conclusões!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.